Teoria do Caos: Borboletas e furacões

Por causa do bater de asas de uma borboleta na China um furacão assola o Caribe três meses depois. Isso é a Teoria do Caos segundo o filme “O Efeito Borboleta”. Faz sentido? Todo dia borboletas batem asas, na China e em todo lugar, e nem todo dia vemos furacões no Caribe. E se o bater de uma asa de borboleta causasse um furacão, um urubu batendo asas certamente traria o fim do mundo. Ou não? É preciso entender melhor a Teoria do Caos antes de colocar a pequena borboleta em juízo. Se você quiser a definição curta do que é a Teoria do Caos, vá para o fim deste artigo. Se quiser a história completa, continue.

Continuar lendo

Anúncios

Onde está Bin Laden?

Este aqui é um jogo educativo interessante. Que tal brincar de identificar personalidades históricas? Nesta pintura foram representadas (pelas minhas contas) 102 personalidades históricas e contemporâneas, do mundo todo. São artistas, filósofos, cientistas, generais, líderes religiosos, esportistas e políticos. De quantos desses ilustres você consegue dizer o nome? Fiz o teste e identifiquei 53. Experimente você para ver se consegue mais. Dá para brincar também de “Onde está Wally?”. Por exempo, quanto tempo você demora para encontrar Madre Teresa e Bin Laden na pintura?

Continuar lendo

Bertrand Russell e o preço do livro

Ontem choveu na avenida Paulista, e eu me abriguei em uma banca de revistas. Encontrei um display com livros de bolso da Editora L&PM, e uma barganha irresistível. O livro de Bertrand Russel, com o título “No que acredito”, custava R$ 8,00 — menos que uma revista. É uma edição e tradução recente, de abril de 2007 — um ótimo trabalho. Bertrand Russell é considerado, junto com Jean Paul Sartre, um dos mais influentes filósofos do Século XX. O livro, pequeno e curto como são as obras bem escritas, é muito agradável de ler — e por oito reais o que você tem a perder?

Continuar lendo

Doze policiais, um assassinato

Eu fiquei, claro, muito triste em saber que a Srta. J tinha sido lentamente estuprada e assassinada por um brutamontes, um criminoso comum, ao longo de uma hora e cinquenta e cinco minutos; mas quando descobri que seu tormento tinha ocorrido à plena vista de doze policiais a paisana, todos portando armas, e que esses doze policiais ignoraram seus gritos aterrorizados, apenas assistindo o ato cruel até seu triste desfecho, entrei em uma crise pessoal. Entenda, os policiais eram todos amigos, muito próximos a mim, mas agora eu encontrava minha confiança neles abalada até a base. Felizmente consegui conversar com todos mais tarde, e perguntar como eles puderam ficar parados sem fazer nada enquanto poderiam ter salvo a Srta. J com tanta facilidade.

Continuar lendo

Querer versus poder, óticas filosóficas

Quem saberá o limite do que podemos fazer? Ninguém. Só há uma forma de realmente saber: tentar. E como tentar sem querer? O antônimo de querer é estar parado, morrer. Por isso diz-se que querer é poder. Pois com querer há poder possível, mas sem querer certamente não. Quem quer pode conseguir ou falhar. Quem não quer não consegue, ponto. Mas alto-lá. De que maneira o querer e o poder são reais frente a simplesmente o jeito como as coisas seguem?

Continuar lendo

O Papa e o Sultão

Estudei alemão na época da faculdade. Uma das professoras era uma senhora alemã velhinha, frágil, simpática. Um dia ela trouxe uma canção impressa em folhas de papel A4 para que a classe aprendesse a cantar: Papst und Sultan. Ela não costumava fazer isso — aliás, acho que foi a única música que trouxe. Não sei se por intenção dela mas aquela música se fixou em minha memória de tal forma que hoje, uns quinze anos mais tarde, ainda acho fácil lembrar. A tal cantiga, de apenas 6 estrofes, ressoa com sabedoria. Típica do folclore alemão, ela foi escrita por volta do ano de 1800 e brinca com a seguinte pergunta: você queria ser o Papa ou o Sultão ? A tradição é de dois séculos, mas ver a tradução leva dois minutos.

Continuar lendo

O que é o Poder

Poder militar, poder da elite, poder da natureza, os poderosos que estão no poder contra os que estão alijados do poder, o poder está em todas as frases e todas as bocas, mas o que é, afinal, o Poder?

Coloco aqui uma definição simples, positiva: ‘Poder’ é uma palavra que descreve, dentre tudo aquilo que um quer, o que ele pode realizar. “Querer não é poder“, diz o ditado. Quem quer às vezes não pode: eu quero andar e posso, eu quero voar e não posso. Meu poder me permite andar, mas não me permite voar. Assim se usa o termo poder — como fronteira real e prática da ação de um indivíduo, fronteira contra a qual se choca o seu querer.

Continuar lendo