Sobre o Site

Esta é minha tentativa de colaborar com o ruído de fundo da Internet, jogando um pouco para os outros (e mais ainda, para mim mesmo, “amanhã”, como diria a propaganda da Orloff) o que se tem de fatos e opiniões interessantes flutuando. Nada do que eu escrevo pode ser usado contra mim, os textos são de minha responsabilidade, e esse é um empreendimento individual. Wada wada wada.

Se você estiver interessado em receber um aviso automático por email quando novos artigos forem colocados neste site você pode clicar aqui. O serviço é automático, da FeedBurner, uma empresa do Google — não se preocupe com Spam. Alternativamente se você usa um leitor de feeds, ou quiser acrescentar as manchetes deste blog em sua homepage MyYahoo ou iGoogle clique aqui. (Aliás, se você não tem uma homepage personalizada considere seriamente MyYahoo ou iGoogle).

Em resposta ao post abaixo, meu nome é Ricardo Castro. Tenho 40 anos, sou casado e tenho três filhos incríveis. Nasci em Minas Gerais, cresci no estado do Pará, fui estudar em Campinas e mais tarde em Chicago. Hoje trabalho em São Paulo. Nestas páginas introduzo material de outros autores, mas grande parte do material é original e escrita por mim. Se você for de uma editora e estiver buscando um livro, entre em contato — preciso de um motivo para tirar um ano sabático. De qualquer forma, obrigado por visitar! Os comentários por aqui são bem-vindos.

Anúncios

16 respostas em “Sobre o Site

  1. Ricardo,
    Muito legal o blog e os temas que vc colocou. Vou procurar ler todos os texto aos quais achei muito interessante.
    Um abraço
    Mateus

  2. Prezado Ricardo,
    Achei excelente seu artigo sobre Oscar Niemeyer. Estava fazendo uma pesquisa no Google sobre o arquiteto e o encontrei. Brasília está ameaçada de virar novamente vítima do arquiteto do poder, com mais uma aberração arquitetônica, a ser construída no gramado central da Esplanada. É preciso uma campanha da população para evitar isso… Gostaria de saber mais de você – qual sua profissão? Aguardo um alô. Abraço.

    • Alexandre, Desde que me formei trabalho com consultoria estratégica empresarial. Sobre como conter os excessos brasilianos, tenho meu ponto de vista, e ele é o seguinte: existe uma fase de conscientizar, outra fase do governo se ajustar a uma população consciente. A primeira fase é a mais demorada e incerta — estamos nela. Abs

  3. Bom dia Ricardo.
    Aprecio a tua escrita.
    Penso que tens bom conhecimento a respeito de arquitetura, e gostaria de pedir a tua ajuda. Estou a fazer uma breve pesquisa a respeito de um movimento “artístico” chamado Realismo socialista, o oficial da URSS, países satélites e Alemanha socialista. Pelo pouco que sei, grande parte das construções deste último país possui coloração cinza e ausência de adornos. Também as vestimentas dos funcionários públicos seria, em maioria, da cor cinza. ouvi dizer que tal cor foi escolhida propositadamete para fazer com que o povo se sentisse “oprimido” ou triste, de modo a não possuir vontade ou energia para se rebelar contra aquela ditadura.
    De fato, Hobbes diz que um dos grandes perigos para o Soberano é rir e caçoar.
    Tu que tens uma brilhante escrita e vasto conhecimento, poderias ajudar-me a confirmar ou corrigir o que escrevi. O que pensas?
    Um abraço.

    • Caro Fernando, diz um velho ditado que não se deve atribuir a malícia aquilo que pode ser explicado pela estupidez. No caso dos prédios e roupas dos comunistas suspeito que a razão está muito mais na base filosófica do movimento e na falta de recursos do que em uma técnica de manipulação de massas.

      A base filosófica do comunismo tem pelo menos dois pilares que sustentam a monotonia: (1) Todos são iguais, e portanto a individualidade é mal vista; (2) “A cada um de acordo com sua necessidade”, e adornos e cores não são necessidade: são exuberância do tipo que criticavam no capitalismo.

      Some se a isso o fato de que a URSS e seus satélites eram, de fato, mais pobres do que o primeiro mundo. Soube-se depois da queda da cortina de ferro que eles tinham um PIB per capita bem mais baixo que supunham os economistas ocidentais da época.

      Com isso você explica não só a falta de adornos em geral, mas também os carros com lataria de plástico da Alemanha Oriental, os prédios caixas-de-sapato sem elevadores e com paredes de gesso, a indisponibilidade de itens de conforto básico, etc.

      Talvez você goste de ver o contraste no modo de vestir de oriente e ocidente em plena guerra fria: um ensaio com modelos da Christian Dior nas ruas de Moscou. Abs

  4. Caro Ricardo,
    estou a quase uma hora lendo seus textos. Muito bons!!!
    Acho que irei ler todos eles… voltarei depois também…
    Forte Abraço!!!
    Feliz 2010 para toda familia!!!

  5. Parabéns pelo blog,
    achei meio que sem querer em um momento onde suas palavras significaram muito para mim.
    O conhecimento é o maior tesouro que podemos possuir e obrigada por partilhar o seu tesouro com todos nós leitores.
    Parabéns mesmo,
    Abs,
    Kátia Maria

  6. Antes de mais deixe-me dar-lhe os parabéns, tem textos muito interessantes partilhados no seu blog!

    O que me fez encontrá-lo foi o endereço sobretudo, preciso falar consigo sobre o mesmo, se me poder enviar um email agradeço, não encontrei o seu contacto.

    Obrigado!

  7. Ótimo texto sobre platitudes. Já sabia o significado mas foi muito bom vê-la explicada no contexto da administração de empresas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s