O poder de Deus

Como soa uma mão sozinha batendo palma? Que barulho faz o aplauso de uma mão só? No extremo oriente essa é uma pergunta milenar de uma filosofia que não dá respostas, faz pensar. Se seu cérebro se contorce, e você acha que nunca conseguirá responder, deixe estar. O importante é absorver a pergunta, refletir sobre ela. Pense o suficiente, talvez você aprenda algo profundo — sobre o poder do todo-poderoso, por exemplo.

Bater de palmas, querer e poder de Deus.

Monges se retiraram em meditação por anos, para estender suas mentes na direção do entendimento mais completo. Pode-se passar a vida lidando com uma imagem dissonante e não ter nenhum lampejo de compreensão. Mas não importa, esticar a mão no vácuo é um objetivo na aparente falta de sentido de afirmações religiosas. Você quer crescer, tem que espremer o cérebro. Como se espremem os olhos naquelas figuras tridimensionais que só aparecem se você olhar por muito tempo. Depois nunca mais deixam de aparecer. Na ioga pedem para você puxar o pé para trás, mesmo que nunca consiga encostar a sola na nuca. Tente imaginar o som de uma mão apenas batendo palma. Tente.

Você pode ser cristão?
Um paradoxo da religião cristã serve como um teste de entrada, quase que como uma senha para abrir a porta do resto que será apresentado pelos pregadores. É o seguinte: um mesmo Deus ao mesmo tempo é três. Conseguiu entender ou imaginar o que significa? Tente. Vou repetir devagar para ficar mais fácil:

  • Deus é três e ao mesmo tempo é um.
  • Deus é três e não é três.
  • Deus é um e não é um.

O mistério da Santissima Trindade.

Isso é o que eu chamo de ioga mental. Para colocar o signficado dessas frases dentro de sua cabeça, pode-se tentar desdobrar o cérebro sobre uma mesa, como se fosse uma grande folha de papel. Depois pode-se escrever as três frases em um tijolo e colocar sobre o cérebro estendido. Finalmente embrulha-se o tijolo com o cérebro e coloca-se de novo na cabeça. Figurativamente.

O poder e o querer divinos
O que é o poder de Deus, diga-me rápido? Poder é o espaço onde o querer prevalece. No caso de Deus, esse espaço é infinito. Ou seja, querer (no caso de Deus, e de ninguém mais) é exatamente, precisamente, literalmente igual a conseguir. Deus quer, Deus pode. Deus quer, Deus tem. O todo-poderoso tem absolutamente tudo o que quer — seja contra ou a favor da vontade de qualquer criatura, pessoa ou animal. Portanto a pergunta “o que é o poder de Deus?” é um tanto peculiar. Uma coisa é definida pelas suas fronteiras: aquilo que somos é sempre definido por aquilo que não somos. Como definir algo sem fronteiras, como o poder divino?

Mais interessante talvez seja a pergunta: o que é o querer de Deus? De forma mais incisiva: Deus tem querer? Existe vontade em Deus? Vamos refletir. O estado de “querer” é um estado transitório. Ele dura do momento em que se sente (ou se decide): “Quero!” até o momento em que se diz: “Consegui!” Nesse ponto o querer se extingue satisfeito, para ser substituido por outros quereres. Mas no caso divino qual a distância entre “Quero!” e “Consegui!”? Distância nenhuma, distância zero. Um poder infinito consegue tudo instantaneamente e, mesmo que assim não fosse, um ser onisciente sempre soube todos os quereres que jamais teria. Sendo assim existe querer em Deus? Existe querer em um ser perfeito? Existe a sensação de falta naquele que é irretocável? Necessita de alguma coisa aquele que é completo?

O aplaudir de uma mão só
Há muitas interpretações. E há esta: precisamos de duas mãos para ouvir um bater de palmas. Tentar imaginar o som de uma mão sozinha no mundo batendo palmas é tentar imaginar o impossível de ser. É tolo, mas também é um exercício de crescimento. Medite e deixe a verdade nascer: Precisamos de duas mãos para ouvir um bater de palmas. Clap!

Símbolo do Ying e do Yang

O símbolo acima está na bandeira da Coréia do Sul, está na parede de academias de karatê, está na cultura pop. Um dos lados representa o Ying, o outro lado representa o Yang — ambos os lados se encaixam perfeitamente.

Ying e Yang, tanto em coreano quanto em português, são dois sons sem significado por si, mas que fazem um par, como zig e zag, vapt e vupt, ping e pong. Ying e yang são qualquer par de coisas. Servem para lembrar o importantíssimo princípio da dualidade, um dos mais simples e úteis conceitos filosóficos. Segundo o princípio da dualidade, nada existe, nem pode existir, sem seu converso, seu oposto.

Quem cria o conceito de frio cria o conceito de quente, e vice-versa. A existência de um lado cria o outro. Para um existir o outro precisará existir. Pense claro e escuro, vida e morte, alto e baixo, grande e pequeno, bom e mal, assim vai. Criar um conceito novo é esticar uma corda entre dois pontos, e criar definições nesses extremos. Depois de esticada essa corda, pode-se classificar o mundo ao longo dela. Mas as duas pontas da corda estarão sempre ligadas, como o amor está ligado ao ódio.

Entender o ying é entender o yang.  Ou se entende os dois, ou não se entende nada.  Se tudo for Glóbs, e absolutamente nada for não-Glóbs, o que significa Glóbs? O que é não-Glóbs? Palavras, ondas sonoras sem signficado — palmas acenando, mas não soando. Clap!

Santíssima trindade, a matemática do paradoxo
Vamos voltar ao paradoxo cristão, que nos diz que o pai, o filho e o espírito santo são Deus, não parte de Deus, mas cada um deles é Deus. Cada um é diferente do outro — o pai não é o filho, e o filho não é o pai, o espírito é um outro. São diferentes, individuais — mas são um só, exatamente o mesmo. Como pode ser? Perdidos estamos, pois estão mexendo com nossas definições, as verdades definidas pela linguagem que usamos. Pois na nossa língua um e três são palavras que descrevem quantias mutuamente exclusivas. Aquilo que é um exclui aquilo que é três, e vice versa.

E no entanto, diz a igreja, espírito santo, pai e filho são três, e cada um deles Deus, mas eles são um só Deus.  Ou seja: 3x=1x quando Deus=x. Ora, mas se 3x=1x então 3x-1x=0, o que implica que 2x=0 ou que x é zero. Portanto Deus é igual a zero.

Essa conclusão pode não fazer sentido nenhum. Então é melhor refletir um pouco mais.

O poder de Deus
Poder é potencial realização, é a possibilidade de ser se houver querer. Mas não parece haver querer em Deus. As coisas simplesmente são (sempre foram) como ele quis: completamente assim. Não há querer presente. E portanto não há poder, potencial, possibilidade, em Deus. O todo-poderoso é reto e indobrável, imóvel e ininfluenciável. O mundo que ele fez é irretocável, ou ele o teria tocado no tempo infinito passado (onisciente e poderoso que é). Se houve algum querer para expressar poder esse foi posto no disparo da trajetória perfeita de um mundo perfeito aos olhos dele: a criação. Deus quis, as coisas são, e assim é. Heis o começo e o fim da história do todo-poderoso. Não tem poder a exercer aquele não tem querer. As coisas simplesmente são.

E a palma? Uma mão só não tem som. Um conceito sem oposto não tem significado. A ausência de significado de “não-poder divino” exatamente rouba o significado de “poder divino”, como a ausência de significado de “seco” roubaria o significado de “molhado”.

Se toda a realidade é uma obra, ela nasceu acabada. A realidade existe. Viva. Não é preciso rezar, nem é preciso não rezar. Os cães ladram, a caravana passa. Será sempre o plano, ou o desenrolar da existência, não importa. O drama religioso é acessório opcional.


O som de uma só mão batendo palma.

Cartoon original em inglês.


Se você gostou deste post também deve gostar de:

O que é o Poder
Querer versus poder, óticas filosóficas

Teoria do Caos: Borboletas e furacões
Duzentas formas de provar que Deus existe

Anúncios

9 respostas em “O poder de Deus

  1. Trindade é uma coisa dura de entender,pois o Pai é o Filho e é o Espirito Santo,ou seja os 3 são um.Tambem é dificil entender como pode Deus escolher uma mulher,para ser mãe do seu Filho sendo ela uma mulher casada?Não houve um adultério espiritual?Como é dificil entender as coisas de Deus!!!!

  2. PARE DE PENSAR EM BESTEIRA E ACEITE A JESUS CRISTO COMO O SEU UNICO SALVADOR O ARREBATAMENTO ESTA TAO PROXIMO QUANDO TUDO ESTA PERTO DO FIM A UNICA VERDADE PERMANESE A VIDA ETERNA E PARA QUEM ACEITAR A JESUS CRISTO COMO O SEU SALVADOR O diabo VEIO COLOCAR COISAS NA MENTE DOS OUTROS EX ; TELEVISAO JOGOS DROGAS ODIO DESAMOR FUJA DESSA JESUS TE AMA

  3. DISSE O REI ROBERTO CARLOS PARE PRA PENSAR PENSE MUITO BEM OLHE QUE JESUS CRISTO BREVE VEM ,ACEITE ELE,COMO O SEU SALVADOR LEIA ´;ESTE ;DEUS E AMOR VIDA ETERNA E PAZ SEM SOFRIMENTO SEM DROGAS SO ALEGRIA GRAÇAS A DEUS ESTA PROXIMO GLORIAS A DEUS ALELUIAS GLORIAS ALELUIAS ESTOU NO MISTERIO DE DEUS GLORIAS ALELUIAS LOUVADO SEJA ESTE PODEROSO DEUS ELE E MUITO BOM GRAÇAS A DEUS ESTOU VIVO COM SAUDE GV

  4. “Poder é o espaço onde o querer prevalece.”
    Deus quer que sejamos bons com os outros e que o sigamos fielmente.
    Eu não sou sempre bom e não o sigo cegamente.
    Logo, o querer de Deus não prevalece.
    Se o querer dele não prevalece, há um limite; Nossa vontade de depender ou não dele.
    Se o poder é definido pelo seu limite, eu ao não aceitá-lo estou tirando o poder que ele pressupunha ter sobre mim!
    Então seu poder, por escolha dele mesmo, pois foi ele que me criou(é, eu acredito em Deus), não é infinito. A graça dele está justamente nesse ponto, ele nos deu o livre arbítrio, se abdicando de ser onipotente. Ele quer que sejamos sua imagem e semelhança e sua primeira demonstração foi de humildade, ao retirar parte de seu próprio poder para que pudéssemos realmente sermos livres.

    • Miguel,
      Tem um livro que discorda de seu entendimento de que Deus tenha abdicado da onipotência quando criou o homem. Tem um livro que discorda de que o poder dele não seja infinito. Esse livro se chama Bíblia:
      http://www.bibliaonline.com.br/acf/s/*/1/todo%20poderoso

      Porém sua lógica é perfeita quando diz:

      “Deus quer que sejamos bons com os outros e que o sigamos fielmente.
      Eu não sou sempre bom e não o sigo cegamente.
      Logo, o querer de Deus não prevalece.
      Se o querer dele não prevalece, há um limite.”

      Como conciliar a lógica por você tão bem apresentada com o fato de que Deus é, inegavelmente, todo poderoso de acordo com a Bíblia? Sobre esse problema (“o Paradoxo do Mal”, ou “o Problema do Mal”) muitos filósofos cristãos se debruçaram, e fizeram longos e elaborados argumentos. É realmente interessante conhecer os argumentos para esse aparente beco sem saída. Por isso os doze principais foram sumarizados, de forma muito curta, num outro artigo traduzido aqui neste blog:
      https://simplesmente.com/2007/11/30/12policiais/

      Vejo que você acredita em Deus, e vejo que você acredita também em raciocínio lógico. Muitos contemporâneos concluiram que uma crença não vive à luz da outra.

      • Li os 12 Policiais. De fato, várias justificativas que eu já ouvi, já usei, já neguei.

        Atualmente eu tenho um método para a religiosidade bastante simples.(que pode ser alterado facilmente se me convencerem de que estou errado e me mostrarem algo que pareça mais certo.)

        Não acredito na Bíblia. Acredito na existência de um Deus. Não acredito nesse Deus. E, aparentemente, Ele não quer ser entendido, então minhas colocações nas conversas sobre ele são sempre para ver se as pessoas conseguem me convencer de algo.

        Talvez eu seja um cético esperançoso.

        Abraços.

  5. oi miguel sei do q vc esta falando,até o dia em q quasi perdi minha filha então clamei porque os homens ja não davam esperança.foi qd esse Deus atuou com sua gloria e poder,ai soube o qnt me amou ao entregar seu filho por mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s